sexta-feira, 10 de outubro de 2014

DHAMMAPADA - Tradução de Thanissaro Bhikkhu e R. Samuel




DHAMMAPADA - Tradução de Thanissaro Bhikkhu e R. Samuel


DHAMMAPADA (I)

Pares

1-2 *:
 Fenômenos são precedidos pelo coração,
 regidos pelo coração,
 feitos do coração.
 Se você fala ou age
 com um coração corrompido,
 o sofrimento então o segue
 como a roda do carro
 o rasto do boi
 isso puxa aquilo.


 Fenômenos são precedidos pelo coração,
 regidos pelo coração,
 feitos do coração.
 Se você fala ou age
 com a calma, coração luminoso,
 então a felicidade o segue,
 como a sombra
 que nunca o deixa.


3-6:
 ' Ele me insultou,
 me bateu,
 me agrediu,
 me roubou'
para quem esses pensamentos alimenta
a hostilidade não é acalmada.

 ' Ele me insultou,
 me bateu,
 me agrediu,
 me roubou'
 para quem não pensa assim,
 a hostilidade é acalmada.
 Não são acalmadas hostilidades
 por hostilidades,
 indiferentemente.
 São acalmadas hostilidades
 por não-hostilidades:
 isto é uma verdade sem fim.

 Ao contrário os que percebem
 que estamos aqui à beira
 da morte,
 esses nada fazem
e suas disputas são pacificadas.


7-8 *:
 Aquele que permanentemente busca o belo,
 é desenfreado com os sentidos,
 não tem nenhuma moderação em comida,
 apático, sem energia:
 Mara o supera
 como o vento, uma árvore fraca.


Aquele que é atento aos seus próprios erros,
 contido com respeito aos sentidos,
 tem moderação em comida,
 cheio de convicção e energia:
 Mara não o supera
 como o vento uma montanha de pedra.


9-10:
 Ele que, depravado,
 destituído
 de veracidade
 e autocontrole,
 veste o manto de ocre,
 não merece o manto de ocre.

 Mas ele que é livre
 de depravação
 dotado
 da veracidade
 e autocontrole,
 bem estabelecido
 nos preceitos,
 verdadeiramente merece o manto de ocre.


11-12 *:
 Os que consideram
 a não-essência como essência
 e vê a essência como não -,
não aderem à essência,
 percorrem aproximadamente em resoluções de injustiça.

 Mas os que sabem
 essência como essência,
 e não-essência como não -,
aderem à essência,
 percorrem aproximadamente em resoluções de direito.


13-14:
 Como chuva vaza
 na cabana mal-colmada,
 assim a paixão,
 a mente pouco desenvolvida.

 Como chuva não vaza
 na cabana bem-colmada,
 assim paixão não penetra,
 a mente bem-desenvolvida.


15-18 *:
 Aqui ele aflige
 ele aflige daqui por diante.
 Em ambos os mundos
 quem prejudica aflige.
 Ele aflige, ele é aflito,
 vendo a corrupção
 das suas ações.

 Aqui ele alegra
 ele alegra daqui por diante.
 Em ambos os mundos
 o fabricante de mérito alegra.
 Ele alegra, é exultante,
 vendo a pureza
 das suas ações.

 Aqui ele é atormentado
 ele é atormentado daqui por diante.
 Em ambos os mundos
 quem prejudica atormentou.
 Ele é atormentado com o pensamento:
 ' Eu prejudiquei. '
 Tendo ido para um destino ruim,
 ele é atormentado
 ainda mais.

 Aqui ele se encanta
 ele se encanta daqui por diante.
 Em ambos os mundos
 o fabricante de mérito se encanta.
 Ele se encanta com o pensamento:
 ' Eu criei mérito. '
 Tendo ido para um destino bom,
 ele se encanta
 ainda mais.


19-20:
 Se ele recita muitos ensinamentos, mas
 -- homem descuidado--
 não faz o que diz,
 é como um pastor que conta o gado de
 outros,
 ele não tem nenhuma parte na vida meditativa.

 Se ele não recita nada
 mas segue o Dharma
 em linha com o Dharma;
 a paixão abandonando,
 a aversão, a ilusão
 alerte,
 a mente dele bem-liberta,
 nada agarrando
 aqui ou daqui por diante:
 ele tem parte na vida meditativa.

DHAMMAPADA II
 A atenção


21-24 *:
 O atento não morre.
 O descuidado é como se
 já morto.
 Conhecendo esta distinção verdadeira,
 o sábio, em plena atenção
 alegra-se, em plena atenção,
 desfruta o nível do nobre.

 O iluminado, constantemente
 absorvido em jhana,
 perseverando,
 firme no seu esforço:
 está liberto,
 em segurança,
 sem escravidão.

O que parte,
 atento,
 limpo em ação,
 agindo com a consideração devida,
 atento, contido,
 vivendo o Dharma:
 a sua glória
 cresce.


25:
 Pela diligência, plena atenção,
 restrição, autocontrole,
 o homem se torna
 uma ilha
 nenhuma inundação
 o pode submergir.


26:
 O insensato se entrega à negligência
 o sábio
 aprecia a atenção
 como sua riqueza.


27:
 Não cai na inércia
 nem nas delícias sensuais
 a pessoa atenta,
 absorvida em jhana,
 atinge abundância de facilidade.


28:
 Quando a pessoa sábia se livra
 da negligência
 tendo escalado a torre alta
 do discernimento,
 livre da tristeza,
 observa a multidão
 entristecendo-se
 como o homem iluminado,
 tendo escalado
 o ápice,
 da montanha.


29:
 Atento entre descuidados,
 alerta entre adormecidos,
 da mesma maneira um cavalo rápido avança,
 ficando o fraco atrás de si.


30:
 Com Plena Atenção ganhou Indra
 o domínio sobre os deuses.
 O atento é elogiado,
 O distraído é censurado.


31-32:
 O monge que se deleita em Plena Atenção,
 vendo perigo na distração,
 avança como fogo,
 e vê consumidos os seus obstáculos

 O monge que se deleita em Plena Atenção,
 perigo vendo na distração
 é incapaz de queda
 está à beira
 da Liberação.


DHAMMAPADA III

A Mente

33-37 *:
 Tremendo, oscilando,
 duro de vigiar,
 assim é
 a mente.
 O sábio a torna reta
 como um fabricante de flechas
 o cabo de uma seta.
 Como um peixe
 tirado de seu meio na água
 lançado em terra:
 esta mente treme e anela
 escapar o reino de Mara.

 Duro de sujeitar,
 ágil,
 descendo onde quer que goste:
 a mente.
 Seu domesticar é bom.
 A mente bem-domesticada
 traz facilidade.
 Tão duro de ver,
 tão mesmo, muito sutil,
 descendo onde quer que goste:
 a mente.
 O sábio dever vigiar isto.
 A mente protegida
 traz facilidade.

 Vagando longe,
 indo só,
 inconsistente,
 mentindo numa caverna:
 a mente.
 Os que contêm isto:
 dos laços de Mara
 serão livrados.


38:
 Para uma pessoa de mente instável,
 verdadeiro Dharma não chega,
 sem serenidade
 vagando:
 o discernimento não cresce em sua plenitude.


39 *:
 Uma pessoa de mente não agitada,
 sem a consciência turbada de pensamentos vãos,
 não se inquieta com o bem e o mal,
 alerta,
 não há nenhum perigo
 nenhum medo.


40 *:
 Sabendo que este corpo
 é como um jarro de barro,
 afiando esta mente
 como um forte,
 ataque a Mara
 com a lança de discernimento,
 então guarde o que é ganho
 sem apego,
 sem reivindicação.


41:
 Daqui a pouco este corpo
 jazerá na terra
 abandonado,
 privado de consciência,
 como um pedaço inútil
 de madeira.


42-43 *:
 O inimigo fere
 o inimigo,
 o que odeia fere o que odeia
 pior é a mente doente mal-dirigida
 faz a você
 até pior.
 Mãe, pai,
 ou outro parente
 não nos tornará tão felizes,
 quanto a mente bem dirigida


  
DHAMMAPADA IV



DHAMMAPADA IV
Flores


44-45 *:
 Quem penetrará esta terra
 e este reino de morte
 com todos seus deuses?
 Quem reunirá
 o Dharma, esta declaração bem-ensinada,
 como ramalhete de flores?

 O praticante do caminho
 penetra esta terra
 e este reino de morte
 com todos seus deuses.
 O praticante do caminho
 pesquisa
 o Dharma, esta declaração bem-ensinada,
 como um ramalhete
 de flores.


46:
 Sabendo que este corpo
 é como espuma,
 percebendo sua natureza
 --uma miragem--
 cortando
 as flores de Mara,
 você vai aonde o Rei da Morte
 não possa ver.


47-48 *:
 O homem que colhe prazeres
 como flores
 tem o coração distraído:
 a morte o varre--
 como uma grande inundação,
 a aldeia adormecida.
 O homem que colhe prazeres
 como flores
 tem o coração distraído,
 insaciável em prazeres sensuais:
 o fabricante da morte o segura
 debaixo do ritmo


49:
 Como uma abelha recolher o néctar sem prejudicar
 a flor,
 a cor,
 a fragrância--
assim o monge deva viver
 ao passar
 por uma aldeia.


50:
 Focalize,
 não nas palavras ásperas de outros,
 não no que eles fizeram
 nem nas suas omissões,
 mas no que você
 tenha feito e não fez
 você.


51-52:
 Igual à flor,
 fulgente e colorida
 mas sem perfume é a palavra bem falada
 pelo que assim não age

 Igual à flor,
 fulgente e colorida
 e cheia de perfume é
 a palavra bem falada
 é frutífera
 por quem bem a levou a cabo.


53 *:
 Da mesma maneira que de um montão de flores
 podem ser feitas muitas áreas de guirlandas,
 assim mesmo
 por um só mortal
 podem ser feitas
--com o que nasce e é mortal--
muitas coisas hábeis.


54-56 *:
 O perfume de nenhuma flor
 vai contra o vento--
 não o sândalo,
 o jasmim,
 o incenso
 Mas o perfume do bem
 vai contra o vento.

 Da pessoa de integridade
 flutua um perfume
 em toda direção
 Sândalo, lódão,
 loto, e jasmim:
 Entre estes perfumes
 o perfume da virtude
 não é superado.

 Quase nada é a fragrância
-do sândalo, do lódão
 enquanto o perfume do virtuoso
 flutua aos deuses,
 supremo.


57 *:
 Os que consumam a virtude,
 morando em plena atenção
 libertados por soberana sabedoria
 Mara não pode seguir seus rastos


58-59:
 Como em uma pilha de lixo
 lançada ao lado de uma rodovia
 o lírio pode crescer
 limpo, perfumado
 agradando ao coração.

 Assim no meio do lixo
 a pessoa comum e cega
 que deslumbra com discernimento
 o Caminho da Verdade
 se auto-desperta



DHAMMAPADA V
Bobos


60:
 Longa para o desperto é a noite.
 Longa para o cansado, o caminho
 Para bobos
 inadvertidos do Verdadeiro Dharma
 o samsara
 é longo


61:
 Se, em seu curso, não encontra você
 seu igual, seu melhor
 então continue seu curso
 firmemente
 só
 Não há nenhum companheirismo com bobos.


62:
 ' Eu tenho filhos, tenho riqueza'--
 são tormentos tolos esses
 Quando até ele-mesmo
 não se pertence a si
 como então filhos?
 Como riqueza?


63:
 Um bobo com um senso da sua tolice
 é--pelo menos até este ponto--sábio.
 Mas um bobo que se pensa sábio
 realmente merece ser chamado
 bobo.


64-65:
 Até mesmo se por toda vida
 permanece o bobo com o sábio
 não conhece nada do Dharma--
como a concha,
 o gosto da sopa.
 Até mesmo se por um momento,
 a pessoa perceptiva fica com o sábio,
 conhece o Dharma imediatamente--
 como a língua,
 o gosto da sopa.


66:
 Bobos, a sabedoria fraca,
 são seus próprios inimigos
 colhem por toda a vida o fruto amargo
 de suas más ações


67-68:
 Não é bom,
 o fazer a ação
 que, uma vez terminada,
 você lamenta,
 cujo fruto que você colhe chorando,
 sua face em lágrimas.

 É bom,
 o fazer a ação
 que, uma vez terminada,
 você não lamenta,
 cujo fruto você colhe satisfeito,
 feliz


69:
 Contanto que o mal ainda tenha que amadurecer,
 os enganados bobos vêem isto como mel.
 Mas quando aquele mal amadurece,
 os bobos quedam em
 dor.


70:
 Mês após mês
 o bobo poderia comer
 só uma medida de gorjeta-de-grama de comida,
 mas ele não valeria
 um décimo sexto
 dos que sondaram
 o Dharma.


71 *:
 Uma ação má, quando terminada,
 não se faz doce como o leite coagulado
 Segue o bobo,
 queimando sem chama
 como um fogo
 escondido em cinzas.


72-74:
 Só para sua ruína
 faz renome o bobo.
 Saqueiam sua fortuna luminosa
 e cortam sua cabeça
 Para ele seria melhor estar incógnito
 do que buscar falsa reputação entre monges,
 falsa autoridade em monastérios,
 falsa homenagem familiares
 ' Que os leigos e religiosos me julguem perfeito
 e me obedeçam '
 No seu orgulho
 pensa o bobo


75:
 Há um caminho para o ganho material
 há outro para o Despertar
 Percebendo isto, o monge,
 discípulo do Desperto
 não deve apreciar oferecimentos,
 deve cultivar a solidão


 
Dhammapada VI
O sábio


76-77:
 Considere quem lhe aponta os defeitos
 como se ele lhe desvendasse
 tesouros escondidos
 Junte-se ao sábio que
 vendo suas faltas
 o repreende
 Fique com este tipo de sábio.

 Para o que fica
 com um sábio deste tipo,
 as coisas melhoram,
 não pioram.

 Deixe-o prevenir, instruir,
 reverencie-o
 trate-o com bons modos
 Para o seu bem ele está encarecendo
 para o mal, ele não é.


78:
 Não se associe com amigos ruins.
 Não se associe com o baixo.
 Associe-se com amigos admiráveis.
 Associe-se com o melhor.


79 *:
 Bebendo o Dharma,
 refrescado pelo Dharma,
 a pessoa dorme à vontade
 com consciência clara e calma.
 No Dharma revelado
 pelos nobres,
 a pessoa sábia
 sempre se delicia.


80:
 Os aguadeiros guiam a água.
 Flecheiros amoldam a ponta da seta.
 Carpinteiros amoldam a madeira.
 O sábio controla a si-próprio


81:
 Como uma laje de pedra
 não se move ao vento,
 assim o sábio não é movido
 pelo elogio,
 pelo vitupério


82:
 Como um lago fundo,
 claro, límpido e calmo:
 assim o sábio fica claro,
 calmo,
 ao ouvir palavras do Dharma.


83 *:
 Em todos lugares, verdadeiros,
 os íntegros
 estão de pé
 Eles, os bons
 não tagarelam em esperanças
 de favor ou ganhos.

 Quando tocados
 de prazer,
 ou de dor,
 o sábio não dá nenhum sinal
 de altivez
 ou baixeza.


84:
 O que não deseja
 para si
 ou para outrem

 riqueza,
 um filho,
 um reino,
 sua própria realização
 através de meios injustos:
 é íntegro, rico
 em virtude,
 discernimento.


85-89 *:
 Poucas são as pessoas
 que chegam à Costa Distante.
 A maioria
 simplesmente corra de um lado para outro
 sem atravessar

 Mas os que praticam o Dharma
 em linha com o Dharma bem-ensinado,
 atravessam o reino da Morte
 tão duro transcender.

 Práticas escuras abandonando,
 a pessoa sábia
 deve desenvolver o luminoso,
 tendo saído de casa
 para nenhuma-casa
 em solidão, tão dura desfrutar.
 Lá ele deve encontrar as delícias
 a sensualidade descartando
 ele que não tem nada.

 Lá ele deve se limpar -- o sábio --
do que suja a mente.
 Aquele cuja mente é bem-desenvolvida
 nos fatores de despertar,
 que se encanta no desapego
 renunciando, nada agarrando
 ele é resplandecente,
 suas necessidades terminaram:
 ele, no mundo,
 é Ilimitado



DHAMMAPADA VII
Arahants



90:
 Aquele que
 foi para a distância
 é livre de tristeza,
 é liberto completamente
 sob todos aspectos,
 abandonou todos os laços:
 não tem ansiedade


91:
 Os atentos se mantêm ativo,
 não se encantam olhando para trás.
 renunciam a toda casa,
 a toda casa,
 como os cisnes que se vão de um lago.


92-93 *:
 Não acumulando,
 tendo compreendido o alimento
 seu repasto é a vacuidade
 a liberdade sem rastro:
 seu caminho
 como dos pássaros no espaço,
 não pode ser localizado.

 A efluências terminaram,
 independente de nutrição,
 seu repasto é a vacuidade
 a liberdade sem rastro:
 seu caminho
 como dos pássaros no espaço,
 não pode ser localizado.


94-96 *:
 Os próprios deuses admiram
 aqueles cujos sentidos foram domados
 como os cavalos bem-treinados pelo cocheiro,
 que abandonou a vaidade
 e é livre de efluência
 Tal ser
 até mesmo devas o adoram.

 Como a terra, não reage ele
 culto,
 Ele,
 como o pilar de Indra,
 como um lago livre de lama.
 Para ele
 --Ele--
 não há nenhuma viagem

 Calma é sua mente
 calma sua fala
 e sua ação
 o que é libertado por direito saber,
 pacificado,
 Ele.


97 *:
 O homem
 incrédulo / além da convicção
 ingrato / sabendo o desfeito
 um assaltante / que cortou conexões
 que é destruído
 as suas chances / condições
 que come vômito: / vomitou expectativas:
 é a última pessoa.


98:
 Na aldeia ou na selva
 vale, planalto,:
 onde arahants moram.
 é um delicioso lugar

99:
 Deliciosas são as florestas
 que às multidões não encantam,
 para os livres de paixão
 ali se deliciam
 porque não estão em busca
 de prazeres sensuais.



DHAMMAPADA VIII
Milhares


100-102 *:
 Melhor
 que mil
 palavras sem sentido
 é uma
 significante
 palavra
 que em ouvir
 traz paz ao ouvinte.
 Melhor
 que mil
 versos sem sentido é
 um
 significante
 verso
 que em ouvir
 traz paz ao ouvinte.
 Melhor que cantar centenas
 de versos sem sentido é
 um,
 de Dharma
 que em ouvir
 traz paz ao ouvinte.


103-105:
 Maior na batalha
 que o homem que conquista
 mil homens,
 é o que conquista
 a si mesmo: justo
 ele é.
 Melhor se conquistar
 a si, que a outros.
 Quando você se treinou,
 vivendo em autocontrole constante,
 nem um deus nem gandhabba,
 nem um Mara nem Brahma,
 pode transformar o triunfo
 em derrota.


106-108 *:
 Melhor que, mês a mês,
 oferecer milhares
 de sacrifícios
 é prestar homenagem num único momento
 à pessoa
 sábia
 Melhor que cem anos de sacrifícios
 é aquele ato de homenagem
 Melhor que, durante cem anos,
 morar em uma floresta
 fazeendo o fogo do sacrifício,
 é prestar homenagem
de um único momento
 para uma pessoa,
 sábia.
 Melhor que cem anos de sacrifícios
 é aquele ato de homenagem
 Tudo ofereceu
 tudo sacrificou no mundo
 durante um ano inteiro buscando mérito
 isso valhe um quarto.
 Melhor prestar respeito
 para esses que foram
 corretos


109:
 Se você tem respeito através do hábito,
 constantemente honrando o merecedor,
 quatro coisas aumentam:
 vida longa, beleza,
 felicidade, força.


110-115:
 Melhor que cem anos
 vividos sem virtude, sem moralidade, é
 um dia
 vivido por uma pessoa virtuosa
 absorvido em jhana.
 E melhor que cem anos
 sem virtude vividos, sem moralidade, é
 um dia
 vivido por uma pessoa perspicaz
 absorvido em jhana.
 E melhor que cem anos
 vivendo apático e sem energia, é
 um dia
 vivendo enérgico e firme.
 E melhor que cem anos
 vivendo sem ver,
 nascendo e morrendo, é
 um dia
 vivido vendo,
 surgindo e falecendo.
 E melhor que cem anos
 vivido sem ver
 o estado Imortal, é
 um dia
 vivido vendo
 o estado Imortal.
 E melhor que cem anos
 vividos sem ver
 o supremo Dharma, é
 um dia
 vivido vendo
 o supremo Dhamma.




116:
 Seja rápido fazendo
 o que é admirável.
 Contenha sua mente
 do que é mau.
 Quando você é lento
 fazendo mérito,
 o mal delicia a mente.


117-118:
 Se uma pessoa faz mal,
 não deveria fazer isto novamente e novamente,
 não deve desenvolver uma propensão para isto.
 Acumular mal
 traz dor.
 Se uma pessoa faz o mérito,
 ela deveria fazer isto novamente e novamente,
 deve desenvolver uma propensão para isto.
 Acumular mérito
 traz facilidade.


119-120:
 Até mesmo o mal
 se encontra com boa fortuna
 desde que o mal
 ainda tenha que amadurecer.
 Mas quando está maduro
 é quando encontra
 o mal.
 Até mesmo o bem
 se encontre com má fortuna
 contanto que o bem
 ainda tenha que amadurecer.
 Mas quando está maduro
 é quando se encontra
 com boa fortuna


121-122 *:
 Não seja descuidado com o mal
 (' Não virá a mim').
 A água enche o jarro
 até mesmo com
 gotas
 Com o mal -- até mesmo se
 pedaço
 por
 pedaço,
 habitualmente--
 o tolo torna-se cheio

 Não seja descuidado com o mérito
 (' Não virá a mim').
 A água enche o jarro
 até mesmo com
 gotas
 Com mérito--até mesmo se
 pedaço
 por
 pedaço,
 habitualmente--
 o iluminado torna-se pleno


123:
 Como um comerciante com pequena
 mas bem-carregada caravana
 --uma estrada perigosa,
 como uma pessoa que ama a vida
 --um veneno,
 deveria evitar
--ações más.


124:
 Se não há nenhuma ferida na mão,
 aquela mão pode segurar veneno.
 O veneno não penetrará
 onde não há nenhuma ferida.
 Não há nenhum mau
 para aqueles que não o fazem


125:
 Quem molesta
 um homem inocente,
 um homem puro, sem mácula
 o mal volta certo ao bobo
 como o pó
 lançado contra o vento.


126 *:
 Alguns nascem no útero humano,
 outros no inferno,
 aqueles em bom curso vão
 para um céu,
 enquanto os outros ficam
 totalmente aprisionados


127-128:
 No ar,
 nem no meio do mar,
 nem entrando em uma fenda nas montanhas
 --em nenhuma parte na terra--
 você pode se esconder
 ficar e fugir
 de sua ação má.
 Não no ar,
 nem no meio do mar,
 nem entrando em uma fenda nas montanhas
 --em nenhuma parte na terra--
 você pode se esconder
 ficar e não sucumbir
 na morte.


 
DHAMMAPADA X
A Vara



129-130:
 Todos
 tremem à vara,
 todos
 temem a morte.
 Puxando o paralelo para
 você,
 não mate nem leve outros a matar.

 Todos
 tremem à vara,
 todos
 temem a morte.
 Puxando o paralelo para
 você,
 preserve a vida dos outros, tão preciosa


131-132:
 Quem castiga
 para prejudicar seres vivos que desejam facilidade,
 quando ele mesmo a estiver procurando
 não a encontrá, depois da morte.

 Quem não prejudica seres vivos
 que desejam facilidade,
 quando a estiver procurando
 a encontrará, depois da morte.


133-134:
 Não fale severamente com ninguém,
 ou as palavras serão lançadas
 contra você.
 A palavra colérica é dolorosa,
 quem a pronuncia é golpeado
 em retorno

 Se, como gongo quebrado
 você não ressoa,
 atingiu o Nirvana
 não encontrará
 nenhum limite


135:
 Como um pastor com uma vara
 leva o gado para o campo,
 assim envelhecendo e morrendo
 a vida conduz
 os seres vivos.


136:
 Ao fazer ações más,
 o bobo é inconsciente.
 O simplório
 é atormentado
 por suas próprias ações
 como queimado por um fogo.


137-140:
 Quem, com uma vara,
 molesta um homem inocente, desarmado,
 depressa entra em quaisquer de dez coisas:
 dores severas, devastação, corpo quebrado, doença séria,
 distúrbio mental, aborrecimento com o governo,
 difamação violenta, perda dos parentes, dissolução da propriedade,
 casa destruída por incêndio
 Depois da separação do corpo
 o sem discernimento,
 reaparece no
 inferno.


141-142:
 Nem a nudez de cabelo
 nem a lama
 nem o jejum
 nem dormir no chão nu
 nem pó e sujeira
 nem severidades
 limpa o mortal
 que não saiu de suas dúvidas.
 Se, entretanto bem vestido, a pessoa vive
 com a vida pura
 --acalmou, domesticou, concentrou--
 que a ninguém castiga
 é um meditador
 um brâhmane
 monge.


143 *:
 Quem no mundo
 é livre de qualquer censura
 desperto para censurar
 como um corcel de puro sangue
 não merece nenhuma chicotada?


144:
 Como um corcel puro sangue
 golpeado pelo chicote,
 seja ardente e rápido.
 Por convicção
 virtude, persistência,
 concentração, julgamento,
 consumando o conhecimento, a conduta,
 atento,
 você abandonará a dor


145:
 Lavradores guiam a água.
 Flecheiros amoldam o cabo de seta.
 Carpinteiros amoldam a madeira.
 Os controlados praticam o bem



 DHAMMAPADA XI
A velhice


146:
 Que risos, que alegria,
 quando em constantes tormentos?
 Envolvido em escuridão,
 você não procura a luz?


147:
 Olhe para esta imagem enfeitada
 um montão de inflamadas feridas, amparado
 doente, mas sujeito
 de muitos anseios
 onde nada mais resta
 nada vai durar, nada é seguro


148:
 Usado é este corpo,
 ninho de doenças, dissolvendo.
 Esta conglomeração pútrida
 ligada para se separar,
 vida por fora, morte por dentro


149:
 Em ver estes ossos
 descarnados
 como cabaço pelo outono,
 que prazer existe?


150:
 Nesta cidade feita de ossos,
 engessada em cima com carne e sangue,
 os tesouros escondidos são:
 orgulho e desprezo,
 envelhecimento e morte.


151:
 Até mesmo as carruagens reais
 bem-embelezadas
 vão decaindo
 assim o corpo
 sucumbe com a idade
 Mas o Dharma do bem
 não sucumbe com a velhice:
 passa o saber de um sábio a outro sábio


152 *:
 O ignorante envelhece
 como amadurece um boi.
 Os músculos desenvolvem,
 o discernimento não.


153-154 *:
 Pelo círculo de muitos nascimentos vaguei eu
 sem recompensa,
 sem descanso,
 buscando o construtor da casa
 Doloroso é nascer
 novamente e novamente.

 Ó Construtor, você foi visto!
 Não construirá a casa novamente.
 Todas suas vigas quebradas,
 o poste de cume destruído,
 ido para o Não-formado a mente,
 encontrou o fim o apego


155-156:
 Não vivendo a vida pura
 nem ganhando riqueza na mocidade
 eles desperdiçam a vida como garças velhas
 num lago seco
 sem peixe.

 Não vivendo a vida pura
 nem ganhando riqueza na mocidade
 eles se deitam ao redor,
 do fogo
 suspirando na velhice


DHAMMAPADA XII
Ego


157 *:
 Se você tem apego a seu próprio eu
 então o observe, observe-o bem.
 A pessoa sábia fica acordada
 se aperfeiçoando
 em quaisquer dos três relógios da noite,
 nas três fases da vida.


158:
 Primeiro
 se estabeleça
 no que está correto,
 só então
 ensine os outros.
 Assim não mancha o seu nome
 é sábio.


159:
 Se você não se aperfeiçoa
 o modo que você [pode] ensinar os outros é
 então, bem-treinado,
 prossiga e controle--
 para [mostrar]
 como é duro aperfeiçoar-se a si próprio
 você mesmo.


160:
 Seu próprio ego é
 seu próprio esteio,
 quem mais poderia ser seu esteio?
 Com você mesmo bem treinado
 obtém o esteio
 difícil de obter.


161:
 O mal se faz a si próprio
 --ego-nascido, ego-criado--
 moe abaixo o simplório,
 como um diamante a pedra preciosa.


162 *:
 Quando transborda de vício extremo
 como trepadeira numa videira
 você faz a você
 o que um inimigo desejaria.


163:
 São fáceis de fazer
 as coisas que não são boas
 não são úteis para você.
 O que é verdadeiramente útil e bom
 é verdadeiramente mais que duro de fazer.


164 *:
 O ensinamento dos que vivem o Dharma,
 merecedor, nobre:
 quem o difama
 é um simplório,
 inspirado por visão errônea
 frutifica para sua própria destruição
 como o frutificar do bambu.


165 *:
 Mal é feito por nós mesmos
 por nos mesmos nos corrompemos
 Mal é purificado por nós mesmos
 por nós mesmos nos purificamos
 Pureza e impureza é a própria pessoa que faz
 Ninguém purifica outro.
 nem é purificado por outro.


166 *:
 Não sacrifique sua própria purificação
 pela de outro,
 não importa qual grande isso possa parecer
 Percebendo seu próprio verdadeiro caminho
 concentre-se nisso.


 DHAMMAPADA XIII
Mundos


167:
 Não associe com o de má qualidade
 Não se consorcie com o preguiçoso
 Não se associe à visões errôneas
 Não se atarefe com o mundo.


168-169:
 Levante-se! Não seja descuidado.
 Viva bem o Dharma.
 O que vive o Dharma
 dorme com facilidade
 neste mundo e no próximo.

 Viva bem o Dharma.
 Não viva o mal.
 O que vive o Dharma
 dorme com facilidade
 neste mundo e no próximo.


170 *:
 Veja tudo como uma bolha,
 como uma miragem:
 o que considera o mundo deste modo
 o Rei de Morte não o vê.


171:
 Venha, olhe este mundo
 todo enfeitado
 como uma carruagem real,
 onde os bobos mergulham
 enquanto os sábios
 nada agarram.


172-173:
 O que era descuidado,
 mas depois deixou de ser,
 clareia o mundo
 como a lua fixa livre das nuvens.

 Sua ação mal-feita
 substituída pela habilidade:
 ele clareia o mundo
 como a lua fixa livre das nuvens.


174:
 Encoberto este mundo--
 como poucos aqui vêem claramente!
 Da mesma maneira pássaros escaparam
 da prisão
 poucas, poucas
 as pessoas
 que voam pelo céu.


175:
 Os cisnes voam à caminho do sol;
 os que têm o poder voam pelo espaço;
 o iluminado voa deste mundo,
 tendo derrotado os exércitos de Mara.


176 *:
 A pessoa que mente,
 que transgride qualquer coisa,
 no que concerne a este mundo e além
 não há nenhum mal
 que não possa cometer


177:
 O avaro não chega
 ao mundo divino
 A alegria de dar não a conhecem
 os bobos.
 O iluminado
 muito se alegra na caridade
 e assim acha facilidade
 no mundo do além


178 *:
 O domínio exclusivo sobre a terra,
 indo para céu,
 o domínio sobre todos os mundos:
 o fruto do Que Entrou na Corrente
 os supera.


DHAMMAPADA XIV
Desperto


179-180:
 Aquele cuja conquista não pode ser desfeita,
 cuja conquista ninguém no mundo
 pode alcançar;
 desperto, sua esfera infinita,
 sem deixar rastro
 por que caminho poderá ser desviado?

 Em quem não há nenhuma apetência
 a que nada mais se apega
 para desviá-lo para algum lugar é impossível
 desperto, sua esfera infinita,
 sem deixar rastro
 por que caminho poderá ser desviado?


181:
 Ele, o iluminado, intenção em jhana,
 se deleitando na renúncia
 e tranquilidade
 auto-desperto e atento:
 até mesmo os deuses
 o vêem com admiração


182:
 Difícil o nascimento humano.
 Difícil a vida de mortais.
 Difícil a chance para ouvir o verdadeiro Dhamma.
 Difícil o surgindo do Desperto.


183-185 *:
 O não-fazer nenhum mal,
 o desempenho do que é hábil,
 limpando a própria mente
 este é o ensino
 do Desperto.

 Resistência é a paciência:
 a maior austeridade é a paciência.
 O Nirvana:
 o que vai além,
 assim dizem os Desperto.
 Ele que prejudica o outro
 não é contemplativo.
 Ele que maltrata o outro,
 não é monge.

 Não desacreditando, não prejudicando,
 restrito em linha com o Patimoksha,
 moderação em comida,
 morando em reclusão
 compromisso com a mente de iluminação:
 este é o ensino
 dos Despertos.


186-187:
 Nem mesmo se chovesse moedas de ouro
 nós teríamos a satisfação
 dos prazeres sensuais.
 ' Cheios de dor,
 dão pouco prazer'
 sabendo disto, o sábio,
 não achando nenhuma delícia
 até mesmo em prazeres sensuais divinos.
 Ele se encanta
 no fim do almejar
 ser um discípulo do Justo
 Ego-despertado Um.


188-192 *:
 Eles vão a muitos refúgios,
 nas montanhas e florestas,
 morar em santuários de árvore:
 mas ali pessoas perigosas ameaçaram.
 Isso não é um refúgio seguro,
 não um refúgio supremo,
 isso não é o refúgio,
 tendo ido para o qual,
 você ganha liberação
 de todo o sofrimento e tensão.

 Mas quando, tendo ido
 para o Buddha, o Dharma,
 e Sangha para refúgio,
 você vê com discernimento certo
 as quatro verdades nobres:
 1) a tensão,
 2) a causa de tensão,
 3) transcendendo a tensão,
 e 4) o óctuplo caminho nobre,
 o modo de acalmar a tensão:
 isso é o refúgio seguro,
 que, o refúgio supremo,
 isso é o refúgio,
 tendo ido para qual,
 você ganha liberação
 de todo o sofrimento e tensão.


193:
 É difícil vir
 o superior de todos os homens.
 Simplesmente não é verdade
 que ele nasce em todos lugares.
 Onde quer que ele nasça, um iluminado,
 a família prospera,
 está contente.


194:
 Uma bênção: o surgir do Desperto.
 Uma bênção: o ensinamento do verdadeiro Dharma.
 Uma bênção: a concórdia da Sangha.
 A austeridade desses em acordo
 é uma bênção.


195-196 *:
 Se você adora o merecedor de adoração,
--o Desperto ou seus discípulos--
que transcenderam
 complicações,
 lamentação,
 e aflição,
 que estão fora de perigo,
 destemido,
 livre:
 não há nenhuma medida que possa medir
 seu mérito



 DHAMMAPADA XV
Feliz


197-200:
 Quão felizes vivemos,
 livres de hostilidade
 entre os que são hostis.
 Entre pessoas hostis,
 livres de hostilidade moramos.

 Quão felizes vivemos,
 livres de miséria
 entre os que são miseráveis.
 Entre pessoas miseráveis,
 livres de miséria moramos.

 Quão felizes vivemos,
 livre de ocupação
 entre os que estão ocupados.
 Entre pessoas ocupadas,
 livre de ocupação moramos.

 Quão felizes vivemos,
 nós que não temos nada.
 Nos alimentamos de êxtase
 como os deuses Brilhantes.


201:
 Ganhar gera hostilidade.
 Perder gera dor.
 A mentira se substitui pela facilidade,
 estando livre
 de ganho e perda


202-204:
 Não há nenhum fogo como a paixão,
 nenhuma perda como a raiva,
 nenhuma dor como os agregados,
 nenhuma facilidade como a paz.

 Fome: a maior doença
 Fabricações: a maior dor
 sabendo disso
 como verdade,
 a Liberação
 é a maior facilidade

 Livre de doença: a maior boa-fortuna
 Satisfação: a maior riqueza
 Confiança: o maior parentesco
 a Liberação: a maior facilidade


205:
 Bebendo a nutrição,
 o sabor,
 da reclusão e calma,
 a pessoa se livra de mal, destituído
 de angústia,
 refrescado com a nutrição
 de êxtase do Dharma.


206-208:
 É bom ver Aqueles Nobres.
 Feliz acompanhar-se com eles sempre.
 Por não ver os bobos
 constantemente, constantemente
 a pessoa estaria feliz.

 Vivendo com um bobo,
 a pessoa se aflige todo tempo.
 Dolorosa é a comunhão com os bobos,
 como com um inimigo--
 sempre.
 Feliz é a comunhão
 com o iluminado,
 como com um ajuntamento de família.

 Assim:
 o homem iluminado--
 discernido, instruído,
 duradouro, obediente, nobre,
 inteligente, um homem de integridade:
 siga-o
 --a um deste tipo--
 como a lua, o caminho
 das estrelas de zodíaco.



DHAMMAPADA XVI
Prazer


209 *:
 Aplicar-se ao que não deve
 e não se aplicar
 ao que deve
 desconsiderando sua meta
 agarrar-se aos prazeres,
 é preparar a inveja para aqueles
 que tiveram melhor sorte,
 tendo realizados
 suas tarefas.


210-211:
 Não faça diferença
 entre o prazer
 e o desprazer.
 É doloroso
 não ter o que é prazer
 ou ter o que não é.

 Assim não transforme nada em prazer,
 porque isto será terrível quando distante
 Nenhum laço é achado
 para os para quem
 não há nem prazer
 nem desprazer.


212-216:
 Do que é querido nasce aflição,
 do que é querido nasce medo.
 Para o livre do prazer
 não há nenhuma aflição
 --assim por que temer?

 Do que é amado nasce aflição,
 do que é amado nasce medo.
 Para o livre do que é amado
 não há nenhuma aflição
 --assim por que temer?

 Da delícia nasce aflição,
 da delícia nasce medo.
 Para o livre das delícias
 não há nenhuma aflição
 --assim por que teme?

 De sensualidade nasce aflição,
 de sensualidade nasce medo.
 Para o livre da sensualidade
 não há nenhuma aflição
 --assim por que temer?

 Do almejar nasce aflição,
 do almejar nasce medo.
 Para o livre do almejado
 não há nenhuma aflição
 --assim por que temer?


217:
 O que consuma virtude e visão,
 judicioso,
 fala a verdade,
 faz a própria tarefa:
 o mundo o tem por querido.


218 *:
 Se no seu coração floresceu
 determinado nascimento para certo desejo
 que não pode ser expresso,
 sua mente está livre de paixões sensuais:
 é dito que você é
 um Vogador da Corrente.


219-220:
 Ao homem que volta de longa ausência
 que vem para casa
 a família, os amigos, os companheiros
 se encantam com seu retorno.

 Do mesmo modo,
 quando você fez o bem
 e vai deste mundo
 para o além mundial,
 suas ações boas o recebem--
como a família, alguém querido
 que vem para casa.



 DHAMMAPADA XVII
Raiva


221:
 Abandone a raiva,
 depõe a vaidade,
 vá além da corrente.
 Quando por nome e forma
 você não tem nenhum apego
--não tendo para tudo--
nenhum sofrimento, nenhuma tensão, invade.


222:
 Quando raiva surge,
 quem a mantém por controle firme
 é como se com uma carruagem de corrida:
 Eu o chamo um cocheiro mestre.
 Qualquer um outro,
 é apenas um segurador da rédea
 apenas.


223:
 Conquiste a raiva
 com a falta de raiva;
 ruim, com o bem;
 mesquinhez, com generosidade
 mentira, com verdade.


224:
 Contando a verdade
 não se manifestando bravo
 dando, quando lhe pedem
 não importa quão pouco você tem:
 por estas três coisas
 você entra na presença de deuses.


225:
 Sábios suaves,
 constantemente contido em corpo,
 vão para o estado sem vacilo
 onde, tendo ido,
 não há nenhuma aflição.


226:
 Para esses que sempre ficam alertas,
 treinando dia e noite,
 profundos na contemplação do Nirvana
 o renascimento se acaba


227-228:
 Há muito tempo, Atula,
 não é de hoje:
 são criticados
 os silenciosos,
 os que falam com moderação
 e os que falam em excesso
 Ninguém no mundo está livre da crítica

 Nunca houve
 nem haverá
 qualquer um completamente livre da crítica
 ou completamente livre do elogio.


229-230:
 Se as pessoas educadas o elogiam,
 tendo-o observado
 dia após dia
 ser inocente em conduta, inteligente,
 dotado de discernimento e virtude:
 como um lingote de ouro--
 quem pode achar falta nele?
 Até mesmo deuses o elogiam.
 Até mesmo por Brahma ele é elogiado.


231-234 *:
 Vigie-se contra a raiva
 explodindo no corpo;
 no corpo, seja contido.
 Tendo abandonado a má conduta completamente,
 viva conduzindo-se bem
 no corpo.

 Vigie-se contra raiva
 explodindo na fala;
 na fala, seja contido.
 Tendo abandonado a má conduta verbal,
 viva conduzindo-se bem
 na fala.

 Vigie-se contra raiva
 explodindo na mente;
 na mente, seja contido.
 Tendo abandonado a má conduta mental,
 viva-se conduzindo-se bem
 na mente.

 Contiveram o corpo
 os iluminados
 contiveram a fala e a mente
 os iluminado
 eles têm perfeito domínio de si.


 
DHAMMAPADA XVIII
Impurezas


235-238 *:
 Você é agora
 como folha seca.
 Já os arautos de Yama estão próximos.
 Você está à porta da partida
 mas ainda tem que prover
 para a viagem.
 Faça uma ilha para você!
 Trabalhe depressa! Seja sábio!
 Com as impurezas sopradas fora,
 puro,
 você alcançará o reino divino
 do nobre.

 Você está agora
 ao término de seu tempo.
 Você é levado
 para a presença de Yama,
 sem descanso no caminho,
 mas ainda tem que prover
 para a viagem.
 Faça uma ilha para você!
 Trabalhe depressa! Seja sábio!
 Com impurezas sopradas fora,
 puro,
 você não sofrerá nascimento novamente
 e envelhecimento


239:
 Da mesma maneira que o ferreiro na prata
 passo a
 passo
 batida a
 batida,
 momento a
 momento,
 sopra as impurezas
 de prata fundida--
 assim o homem sábio, suas próprias.


240 *:
 Da mesma maneira que a ferrugem
 --a impureza de ferro--
 come verdadeiramente o ferro
 no qual nasce,
 assim as ações
 do que vive despreparado
 o seduz
 a um destino ruim.


241-243:
 Nenhuma recitação: a impureza ruinosa
 de cantos.
 Nenhuma iniciativa: de um dono de casa.
 Indolência: da beleza.
 Distração: de um guarda.

 Em uma mulher, a má conduta é uma impureza.
 Em um doador, mesquinhez.
 Ações más são as reais impurezas
 neste mundo e no próximo.

 Mais impuro que estas impurezas
 é a ignorância.
 Tendo abandonado esta impureza,
 monge, você é puro.


244-245:
 Vida é fácil
 para o sem escrúpulos,
 esperto como um corvo,
 corrompido, comendo,
 lixo
 mas para alguém que constantemente é
 escrupuloso, cauteloso,
 observante, sincero,
 puro no seu sustento
 limpo nos objetivos
 a vida é dura.


246-248:
 Quem faz matanças, mentiras, roubos,
 quem vai para outra esposa,
 é viciado em tóxicos,
 já está destruído
 pela raiz
 aqui mesmo neste mundo.

 Assim saiba, meu homem bom,
 que ações más são preocupantes.
 Não deixe ganância e ilegalidade
 o oprimir com a dor a longo prazo.


249-250:
 Pessoas dão
 de acordo com sua fé
 com convicção.
 Quem se preocupa
 com a comida e bebida dada
 não atinge nenhuma concentração
 de dia ou de noite.

 Mas o no qual isto é
 cortado
 atinge concentração
 de dia ou de noite.


251:
 Não há nenhum fogo como a paixão,
 nenhum ataque apoplético como a raiva,
 nenhuma armadilha como a ilusão,
 nenhum rio como o apego.


252-253:
 É fácil ver
 o erro de outro,
 mas duro ver
 seu próprio.
 Você joeira os erros de outros,
 mas esconde seu próprio--
com um fraude, um lançamento azarado.

 Se você focaliza os erros de outros,
 falta constantemente achando,
 seu problenas florescem.
 Você está longe do fim deles.


254-255 *:
 Não há nenhum rastro no espaço,
 nenhum contemplativo.
 As pessoas são atingidas duramente
 com complicações,
 mas destituído de complicação é
 o Tathagatas.

 Não há nenhum rastro no espaço,
 nenhum contemplativo,
 nenhuma fabricação eterna,
 nenhuma indecisão nos Despertos.




DHAMMAPADA XIX
O Juiz


256-257 *:
 Julgar apressadamente
 não significa que você é um juiz.
 O sábio, pesando ambos,
 o julgamento certo e falso,
 julga imparcialmente
 com cuidado, de acordo com o Dharma,
 observando o Dharma,
 observado pelo Dharma,
 inteligente:
 ele é chamado um juiz.


258-259 *:
 Simplesmente falando muito
 não significa que é sábio. Quem plácido
 sem hostilidade,
 medo--
 é dito que é sábio.

Simplesmente falando muito
 e não mantendo o Dharma
não significa que é sábio.
 Quem
 embora fale muito pouco
 demonstra o Dharma no seu próprio corpo
 não é descuidado com o Dharma:
 é o mantenedor do Dharma.


260-261:
 Uma cabeça de cabelos brancos
 não significa a pessoa um ancião.
 Avançado em anos,
 pode ser um bobo velho.
 Mas o em quem há
 verdade, restrição,
 retidão, bondade,
 autocontrole--
 é chamado um ancião,
 as impurezas dele saíram,
 iluminado.


262-263:
 Não é através de conversação suave
 ou de coloração de loto
 que um fraude invejoso, avarento
 se torne um homem exemplar.
 Mas o em quem a aversão é
 cortada
 superada - desarraigada
 jogada fora--
 é chamado exemplar,
 sem a aversão
 inteligente.


264-265 *:
 Um careca
 não significa um meditador.
 O mentiroso que não observa nenhum dever,
 cheio de ganância e desejo:
 que meditador ele?
 Mas quem ignora
 a dissonância
 das qualidades más
 --grande ou pequeno--
 em todos os sentidos
 trazendo a consonância:
 ele é chamado um meditador.


266-267:
 Implorando aos outros
 não signifique a pessoa é um monge.
 Contanto que a pessoa siga
 os modos de donos da casa,
 a pessoa não é nenhum monge
 Mas quem aparta
 ambos mérito e mal
 vive a vida pura,
 judiciosa
 passa pelo mundo:
 ele é chamado um monge.


268-269 *:
 Não através de silêncio
 que faz alguém confundido
 e inconsciente
 quer se transforme em um sábio.
 Mas quem--sábio,
 como segurando as balanças,
 levando o excelente--
 rejeita ações más:
 ele é um sábio,
 isso é como ele é um sábio.
 Quem pode pesar
 ambos os lados do mundo:
 isso é como ele é chamado
 um sábio.


270:
 Não prejudicando a vida
 faz que um se torne nobre.
 A pessoa se torna nobre
 por ser suave
 para todas as coisas vivas.


271-272 *:
 Monge,
 não se faz
 por causa de
 seus preceitos e práticas,
 grande erudição,
 conseguir concentração,
 habitação retirada,
 ou o pensamento, ' eu sou
 o que renunciou ao que
 aquelas pessoas comuns
 fazem':
 e mesmo sendo complacente
 quando o fim de seus resultados
 ainda é inatingido.



DHAMMAPADA XX
O Caminho


273 *:
 Dos caminhos, o óctoplo é melhor.
 Das verdades, as quatro declarações.
 Das qualidades, a impassibilidade
 De seres de dois pés
 o com os olhos
 de ver.


274-276 *:
 Só isto
 é o caminho
--não há nenhum outro:
 purificar a visão.
 Siga isso e será Mara
 confundido.

 Seguindo isto,
 você porá um fim
 ao sofrer e tensão.
 Eu lhe ensinei este caminho
 por saber
 a extração das flexas.

 É para você se esforçar
 ardentemente.
 Tathagatas apenas
 mostram o modo.
 Os que praticam,
 absorvido em jhana:
 dos laços de Mara
 serão livrados.


277-279 *:
 Quando você vê com discernimento,
 ' Todas as fabricações são inconstantes'--
você está livre de tensão.
 Este é o caminho
 da pureza.

 Quando você vê com discernimento,
 ' Todas as fabricações são cansativas'--
você está livre da tensão.
 Este é o caminho
 da pureza.

 Quando você vê com discernimento,
 ' Todos os fenômenos não têm ego '--
você está livre da tensão.
 Este é o caminho
 da pureza.


280:
 Na ocasião para iniciativa
 não toma nenhuma iniciativa.
 Jovem, forte, mas letárgico,
 as resoluções do coração dele
 exausto,
 o preguiçoso, letárgico
 perde o caminho
 o discernimento.


281:
 Controlado na fala,
 bem-contido no corpo e mente,
 não faça nada errado.
 Purifique
 estes três cursos de ação.
 Traga a gozo
 o caminho que os videntes proclamaram.


282:
 De se esforçar vem sabedoria;
 de não, o fim da sabedoria.
 Sabendo estes dois cursos
 --para desenvolvimento,
 declínio--
o administre
 de forma que a sabedoria cresça.


283-285 *:
 Reduza
 a floresta do desejo,
 não a floresta das árvores.
 Da floresta do desejo
 vem perigo e medo.
 Tendo reduzido esta floresta
 e seu bosque, monges,
 sejam livres

 Enquanto não for cortado
 o desejo de um homem pelas mulheres
 o coração estará preso
 como um bezerro lactente
 em sua mãe.

 Acaba com a auto-estima
 como um lírio de outono
 na mão.
 Crie só o caminho a paz
 --o Nirvana--
 como ensinado pelo Bem Ido.


286-289 *:
 ' Aqui eu ficarei para as chuvas.
 Aqui, durante o verão e inverno. '
 Assim imagina o bobo,
 inadvertido das obstruções.

 Aquele homem que se deleita com filhos e gado
 na mente:
 a morte o varre--
 como uma grande inundação,
 a aldeia adormecida.

 Nenhum filho
 dá abrigo,
 nenhum pai,
 nenhum familiar
 torna seguro o fim
 nenhum abrigo há
 entre a família.

 Consciente
 desta razão constrangedora,
 o homem sábio, contido por virtude,
 deve fazer o caminho puro
 --imediatamente--
 isso vai de todo o modo para Nirvana.




DHAMMAPADA XXI
Miscelânea


290:
 Sendo bastante abandonar
 a facilidade limitada
 pela abundância
 o homem iluminado
 abandona
 a facilidade limitada
 pela abundância.


291:
 Buscar a própria facilidade
 à custa dos outros
 é ação de hostilidade,
 de hostilidade
 ele não fica livre.


292-293 *:
 Os que
 rejeitam o que deve,
 e fazem o que não deveria ser feito
 --descuidado, insolente--
 os problemas crescem.
 Mas para esses que
 constantemente são bem-aplicados
 na plena-atenção no corpo;
 não favorecem
 o que não deveria ser feito
 e persistem
 no que deve
 --atentos, alertas--
 os problemas se acabam.


294-295 *:
 Tendo matado a mãe [a volúpia], o pai [o orgulho]
 dois reis guerreiros
 o reino e sua dependência--
o brâhmane, calmo, viaja.

 Tendo matado a mãe [a volúpia], o pai [o orgulho]
 dois reis instruídos,
 e, quinto, um tigre--
 o brâhmane, calmo, viaja.


296-301 *:
 Eles estão despertos, sempre despertos
 Os discípulos de Gotama
 em plena atenção, dia e noite,
 constantemente imersos
 no Buddha.

 Eles estão despertos, sempre despertos
 Os discípulos de Gotama
 em plena atenção, dia e noite,
 constantemente imersos
 no Dharma

 Eles estão despertos, sempre despertos
 Os discípulos de Gotama
 em plena atenção, dia e noite,
 constantemente imersos
 na Sangha.

 Eles estão despertos, sempre despertos
 Os discípulos de Gotama
 em plena atenção, dia e noite,
 constantemente imersos
 no corpo.

 Estão despertos, sempre despertos:
 Os discípulos de Gotama
 seus corações se deliciam, dia e noite,
 em ser inofensivos.

 Estão despertos, sempre despertos:
 Os discípulos de Gotama
 seus corações se deliciam, dia e noite,
 em desenvolver a mente


302:
 Dura é a vida
 é duro se encantar disto.
 Duro é a miserável
 vida do dono da casa.
 É doloroso ficar com pessoas dissonantes,
 doloroso viajar pela estrada.
 Assim não seja viajante
 nem aflito.


303 *:
 O homem de convicção
 dotado de virtude,
 glória e riqueza:
 onde quer que ele vá
 é honrado.


304:
 O brilho do homem bom se vê de longe
 como o Himalayas nevado.
 O ruim não apareçe
 até mesmo quando próximo,
 como flexas atiradas na noite.


305:
 Sentando só,
 descansando só,
 caminhando só,
 incansável.
 Se domesticando,
 ele se delicia na solidão--
só na floresta.



 
DHAMMAPADA XXII
Inferno


306:
 Ele vai para inferno,
 o que afirma
 o que não aconteceu,
 como faz o que, tendo feito,
 diz, ' eu não fiz. '
 Ambos--as pessoas de baixa ação--
são iguais:
 depois da morte, no além mundial.


307-308:
 Ainda usando o manto amarelo,
 mas com muitas qualidades más
 --desenfreado, mal--
 vai, por causa dos seus atos,
 para o inferno.

 Melhor comer uma bola de fogo
 --ardente, chamejante--
 do que, sem princípios e
 desenfreado,
 receber as esmolas do país.


309-310:
 Quatro coisas acontecem ao homem descuidado
 que deseja as esposas dos outros:
 a riqueza de demérito;
 a falta de sono bom;
 a censura
 quarto, o inferno.

 Uma riqueza de demérito, um destino mau,
 o prazer breve de um
 homem medroso com
 mulher medrosa,
 o rei o inflige castigo severo.
 Assim
 nenhum homem deveria deitar
 com a esposa de outro.


311-314:
 Da mesma maneira que a afiada grama
 corta a mão de quem não a sabe segurar,
 a vida reclusa, se injustamente levada,
 arrasta até ao inferno.

 Qualquer ato de inatividade,
 ou falta de observância,
 vida fraudulenta, sem castidade
 não dá nenhum bom fruto.

 Se algo deve ser feito,
 então trabalhe firmemente nisto,
 pois uma inatividade
 chuta para cima ainda mais pó.

 É melhor deixar a má ação
 desfeita.
 A má ação o queima posteriormente.
 Melhor que uma ação boa seja feita
 que, depois que você fez isto,
 não lhe faça queimadura.


315:
 Como uma fortaleza de fronteira,
 vigiada dentro e fora,
 se vigie.
 Não deixe o momento passar.
 Esses para quem o momento é passado
 aflitos, consignaram o inferno.


316-319:
 Envergonhado do que não é vergonhoso,
 não envergonhado do que é,
 seres que adotam visões erradas
 vão para um destino ruim.

 Perigo vendo onde não há nenhum,
 e nenhum perigo onde há,
 seres que adotam visões erradas
 vão para um destino ruim.

 Erro vendo onde não há nenhum,
 e nenhum erro onde há,
 seres que adotam visões erradas
 vão para um destino ruim.

 Mas erro instruído como erro,
 e não-erro como não -,
seres que adotam visões certas
 vá para o bom
 destino




DHAMMAPADA XXIII
Elefantes


320:
 Como um elefante na batalha,
 suportando um tiro de seta de um arco--
 suportarei uma falsa acusação,
 para a massa das pessoas
 que não tenha nenhum princípio.


321:
 Os elefantes domesticados são levados às assembléias.
 O rei os monta.
 Os homens domesticados suportam
 a falsa acusação
 são, entre os seres humanos,
 os melhores homens.


322-323:
 Excelente é a mula domesticada,
 animais de puro sangue domesticados,
 cavalos domesticados de Sindh.
 E os excelentes, domesticados,
 grandes elefantes de combate.
 Mais excelente
 é o ego-domesticado.

 Não para aqueles montes pode você ir
 para a desconhecida terra,
 como o domesticado vai
 domesticando, bem-domesticado, a si-mesmo.


324 *:
 O tusker, o Dhanapalaka,
 o grande elefante, é duro controlar.
 Acorrentado não comerá
 pois perdeu
 a floresta.


325:
 Quando entorpecido, guloso,
 sonolento, refestelado
 como um porco robusto, engordando:
 um simplório entra no útero
 novamente
 e novamente.


326:
 Antes, esta mente foi vagar
 porém se agradou,
 onde quer que quis,
 por qualquer modo do que gostou.
 Hoje, eu controlarei isto habilmente
 como um buraco aprisiona um elefante enfurecido.


327:
 Deleite-se em Plena Atenção
 Observe sua própria mente.
 Levante-a
 deste caminho difícil
 como um elefante penetrando a lama.


328-330 *:
 Se você ganha um companheiro maduro--
um viajante da mesma categoria, direito-vivo, iluminado--
superando todos os perigos
 vá com ele, satisfeito,
 atento.

 Se você não ganha um companheiro maduro--
um viajante da mesma categoria, direito-vivo, iluminado--
vá só
 como um rei que renuncia o seu reino,
 como o elefante na floresta de Matanga,
 o seu rebanho

 Indo só é melhor,
 não há nenhuma companhia com o bobo.
 Vá só,
 fazendo isso não há nenhum mal, há paz,
 como o elefante na floresta de Matanga.


331-333:
 Uma bênção: amigos quando a necessidade surge.
 Uma bênção: satisfação com tudo que há.
 Merecimento ao fim da vida é uma bênção.
 Uma bênção: o abandonar todo o sofrimento
 e tensão.
 Uma bênção no mundo: reverenciar sua mãe.
 Uma bênção: reverencie como um bem a seu pai.
 Uma bênção no mundo: reverenciar um meditador.
 Uma bênção: reverenciar um brâhmane, também.
 Uma bênção na velhice é a virtude.
 Uma bênção: convicção estabelecida.
 Uma bênção: discernimento atingido.
 O não-fazer coisas más é
 uma bênção.




DHAMMAPADA XXIV
O desejo


334:
 Quando uma pessoa vive sem Atenção,
 a apetência dele cresce como uma videira rastejante.
 Ele corre aqui
 e ali,
 como se, procurando fruta,
 um macaco na floresta.


335-336:
 Se esta apetência pegajosa, rude
 o supera no mundo,
 suas tristezas crescem como grama selvagem
 depois da chuva.

 Se, no mundo, você supera
 esta apetência rude, dura de escapar,
 as tristezas saem de você,
 como gotas de água fora
 de um loto.


337 *:
 Para todos vocês reunidos aqui
 Eu digo: Boa Fortuna.
 Arranquem o desejo
 como, ao buscar raízes medicinais, grama selvagem
 pela raiz.
 Não deixe Mara os seduzir
 --como um rio furioso dobra a cana--
 sempre e sempre


338:
 Se sua raiz
 não danificada é forte,
 a árvore, até mesmo cortada,
 renasce.
 Também se o desejo oculto
 não está bem arraigado,
 este sofrimento devolve
 novamente
 &
 novamente.


339-340 *:
 Eles de quem 36 paixões,
 fluindo ao que está atraindo, são fortes:
 as correntes--solucionando baseando em paixão--
de visões básicas, os levam, fora.

 Eles que fluem desordenadamente, os fluxos,
 e as permanentes trepadeiras
 Agora, vendo que isso surgiu
 corte pela raiz
 com discernimento.


341 *:
 Soltas e lubrificadas
 são as alegrias de uma pessoa.
 Pessoas, assaltadas por tentação,
 procuram facilidade:
 para o nascimento e envelhecendo vão.


342-343 *:
 Cercados pelos desejos,
 pessoas saltam em círculo e ao redor
 como um coelho pegado em armadilha.
 Amarrado com corrente e laços
 eles vão para sofrimento
 novamente e novamente, por muito tempo.

 Cercado com almejar,
 pessoas saltam círculo & ao redor
 como um coelho pegado em armadilha.
 Assim o monge
 deve dispersar apetência,
 deve aspirar à paz
 para si.


344:
 Liberto da selva
 mas nela recae,
 corre atrás para a floresta de que foge.
 Venha, veja a pessoa livre
 que corre atrás das mesmas antigas cadeias!


345-347 *:
 Isso não é um laço forte
 --assim diz o iluminado--
 para aquele feito de aço, de madeira, ou de grama.
 Ser golpeado, escravizado,
 com jóias & ornamentos,
 almejando filhos & esposas.

 Isso é o laço forte,
 --assim diz o iluminado--
 um que está constrangendo,
 elástico,
 duro de desamarrar.
 Mas tendo cortado isto, ele,
 --o iluminado--vai adiante,
 livre de desejar, abandonando
 a facilidade sensual.

 Esse atingido duramente pela paixão
 se retira
 em um fluxo ego-feito,
 como uma aranha emaranhada em sua teia.
 Mas, tendo cortado isto, o iluminado segue adiante,
 livre de desejar, abandonando
 todo o sofrimento & tensão.


348 *:
 Ido para o além de se tornar,
 deixou em frente
 deixou atrás,
 deixou entre.
 Com o coração que abandonou todos os lugares
 você não vem novamente a nascimento
 & envelhecimento.


349-350 *:
 Para uma pessoa
 forçada pelo pensamento
 feroz em sua paixão
 focalizado em beleza,
 o desejo ainda mais cresce.
 Ele é o
 que aperta o laço.
 Mas o que se encanta
 com o acalmado pensamento,
 sempre atento
 cultivando
 em foco a confusão:
 Ele é o
 que fará fim,
 que cortará o laço de Mara.


351-352 *:
 Chegado ao fim,
 sem medo, puro, livre
 de apetência, cortou ele
 as setas de se tornar.
 Este montão físico é o último
 Livre de almejar,
 inapegado,
 astuto em expressão,
 sabendo a combinação de sons--
qual vem primeiro & qual depois .
 Ele é chamado um
 último-corpo
 grandemente discernido
 grande homem.


353 *:
 Todos-conquistando,
 todo-instruído
 com respeito a todas as coisas,
 não aderindo
 Tudo-abandonando,
 libertado do fim de almejar:
 tendo sabido completamente a si-próprio,
 a quem deveria apontar como professor?


354 *:
 Um presente de Dharma conquista todos os presentes;
 o gosto de Dharma, todos os gostos,
 uma delícia de Dharma, todas as delícias;
 o fim de almejar, todo o sofrimento,
 & tensão.


355:
 Riquezas arruinam o homem
 fraco em discernimento,
 mas não esses que buscam
 o além.
 Por almejar riquezas
 o homem fraco em discernimento
 se arruína ele
 como ele vão outros.


356-359:
 Campos são deteriorados por ervas daninhas;
 pessoas, por paixão.
 Esses
 livres de paixão
 têm grandes frutos.

 Campos são deteriorados por ervas daninhas;
 pessoas, por aversão.
 Esses
 livres de aversão
 têm grandes frutos.

 Campos são deteriorados por ervas daninhas;
 pessoas, por ilusão.
 Esses
 livres de ilusão
 têm grandes frutos.

 Campos são deteriorados por ervas daninhas;
 pessoas, desejando.
 Esses
 livres de desejar
 têm grandes frutos.



 DHAMMAPADA XXV
Monges


360-361 *:
 Restrição com o olho é bom,
 bom é restrição com o ouvir.
 Restrição com o nariz é bom,
 bom é restrição com a língua.
 Restrição com o corpo é bom,
 bom é restrição com fala.
 Restrição com o coração é bom,
 bom é em todos lugares restrição.
 Um monge contém todos lugares
 e é libertado de todo o sofrimento & tensão.


362:
 Mãos contidas,
 pés contidos
 fala contida,
 supremamente contido--
 na delícia do seu interior,
 contente, centrado, só:
 assim é o que eles chamam
 monge.


363 *:
 Um monge contido na sua fala,
 aconselha,
 declarando a mensagem & seu significado:
 doçura é a sua fala.


364:
 Dharma a sua habitação,
 Dharma a sua delícia,
 um monge que pondera Dharma,
 Dharma chama para mente,
 não sai
 do verdadeiro Dharma.


365-366:
 Ganho:
 não trate seu próprio com desprezo,
 não deseje os de outros.
 Um monge que deseja os de outros
 não atinge
 nenhuma concentração.
 Até mesmo se ele nada consegue,
 não trata os ganhos dos outros com desprezo.
 Vivendo puramente, incansável
 ele é aquele
 que os deuses elogiam


367:
 Para quem, no nome & forma
 em todos os sentidos,
 não vê nenhum sentido,
 & que não se aflige
 com o que não é:
 ele é chamado merecidamente
 monge.


368 *:
 Morando em bondade, um monge,
 com fé no Desperto está ensinando,
 atinge o estado bom,
 o estado calmo:
 acalmar-de-fabricações aliviadas.


369 *:
 Monge, alivia teu barco.
 ele vai levar-te melhor, aliviado
 Tendo cortado paixão, aversão,
 você vai de lá para a Liberdade


370 *:
 Corte por cinco,
 deixe cinco,
 & desenvolvendo cinco acima de tudo.
 Um monge ido além de cinco anexos
 é dito que cruzou a inundação.


371:
 Pratique jhana, monge,
 e não seja descuidado.
 Não deixe sua mente vagando
 em praias sensuais.
 Não engula --descuidado--
a bola de ferro em fogo.
 Não queime & reclame: ' Esta é dor. '


372:
 Não há nenhuma jhana
 para o sem discernimento,
 nenhum discernimento
 para o sem jhana.
 Mas o com ambos, jhana
 & discernimento:
 está à beira
 de Liberdade.


373-374:
 Monge com a mente em paz,
 entrando em uma habitação vazia,
 vendo corretamente
 claramente
 o Dharma:
 a sua delícia é maior
 que a humana.

 Porém é,
 porém ele toca
 o surgir-&-transcurso de agregados:
 ele ganha êxtase & alegria:
 que, para esses que conhecem isto,
 é imortal,
 o Imortal.


375-376:
 Aqui as primeiras coisas
 para um monge perspicaz
 vigiar os sentidos,
 satisfação,
 restrição com o Patimokkha.
 Ele deveria se associar com amigos admiráveis,
 vivendo puramente, incansável,
 hospitaleiro através de hábito,
 qualificado na sua conduta
 Ganhando a alegria múltipla,
 porá um fim
 para sofrer & tensão.


377:
 Perca paixão
 & aversão, monges--
como um jasmim,
 suas flores murchas.


378:
 Acalmado o corpo,
 acalmada a fala,
 bem-centrado & calmo,
 tendo vomitado as iscas do mundo,
 um monge é chamado
 completamente
 tranquilo.


379:
 Você deveria se reprovar,
 deve se examinar.
 Como um monge ego-cuidadoso
 ego vigiado
 atento, você fica à vontade.


380:
 Seu próprio ego é
 seu próprio esteio.
 Seu próprio ego é
 seu próprio guia.
 Então você deve
 observar a si próprio
 como um comerciante, um corcel bom.


381 *:
 Monge com uma alegria múltipla,
 com fé no Desperto está ensinando,
 atinge o estado bom,
 o estado calmo:
 acalmar-de-fabricações aliviadas.


382:
 Um monge jovem que se esforça
 no Despertar está ensinando,
 clareia o mundo
 como a lua fixa livre de nuvem.


DHAMMAPADA XXVI
Brâhmanes


383 *:
 Detém-te, ó brâhmane,
 corte o fluxo.
 Desembaraça-te das paixões sensuais.
 Sabendo o fim das fabricações,
 brâhmane,
 você sabe o Desfeito.


384 *:
 Quando o brâhmane vai
 para o além das duas coisas,
 então todas suas correntes
 vão para o fim
 ele que sabe.


385 *:
 Aquele que vai além
 não-além de
 além de-&-não-além de
 não pode ser achado;
 inabalável, despreocupado,:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane.


386:
 Se sentando silencioso, puro,
 absorvido em jhana,
 a tarefa feita, sem efluência,
 última meta atingida:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane.


387:
 De dia brilha o sol;
 de noite, a lua;
 em armadura, o guerreiro;
 em jhana, o brâhmane.
 Mas todo o dia & toda a noite,
 diariamente & todas as noites,
 o Desperto irradia
 em esplendor.


388 *:
 Ele é chamado um brâhmane
 por ter banido o seu mal
 um contemplador
 por viver em consonância,
 um ido adiante
 por ter abandonado
 as próprias impurezas


389 *:
 A pessoa não deve golpear um brâhmane
 nem deve o brâhmane
 soltar sua raiva
 Envergonha o assassínio de um brâhmane
 Mais envergonha o brâhmane
 cuja raiva é solta.


390 *:
 Nada melhor para o brâhmane
 do que a mente segura
 do que está encarecendo & não.
 Este prejudicial descuido
 fora,
 é como se acentua
 simplesmente o descansar.


391:
 Quem não faz nenhum erro
 em corpo,
 fala,
 e coração,
 é contido desses três modos:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


392 *:
 A pessoa de quem
 você aprenderia o Dharma
 ensinado pelo Correto
 Ego-despertado Um:
 você deveria honrá-lo com respeito--
como um brâhmane, a chama do sacrifício.


393-394 *:
 Não através de cabelo emaranhado,
 através de clã, ou de nascença,
 é um brâhmane
 Quem tem verdade
 & retidão:
 é um puro,
 ele, um brâhmane
 O que é o uso de seu cabelo emaranhado,
 simplório?
 O que é o uso de seu capote de deerskin?
 A confusão está dentro de você.
 Você penteia o exterior.


395:
 Trapos de refugo
 seu corpo inclinado e veias salientes
 absorvido em jhana,
 só na floresta:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


396 *:
 Eu não chamo um brâhmane
 por nascer de uma mãe
 ou pular de um útero.
 Ele é chamado um brâmane
 se não tem qualquer coisa, nada.
 Alguém com nada,
 que não agarra nenhuma coisa:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


397:
 Tendo cortado toda corrente,
 ele não treme
 Além do apego
 inabalável
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane

398 *:
 Tendo cortado correia & correia,
 corda & rédea,
 tendo se livrado da barra,
 desperto:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


399:
 Ele suporta sem raira
 insulto, assalto, & prisão.
 O exército dele é a força;
 a força dele, a paciência,:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


400 *:
 Livre da raiva,
 deveres observados,
 virtuoso, sem orgulho dominante,
 treinado, um ' último-corpo '
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


401:
 Como água em uma folha de loto,
 uma semente de mostarda na ponta da agulha,
 ele não adere a prazeres sensuais:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


402 *:
 Ele discerne aqui mesmo,
 para si,
 em si próprio,
 o próprio
 terminando a tensão.

 Inabalável, livre do seu fardo
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


403:
 Sábio, profundo
 em discernimento, astuto
 sobre o que é o caminho
 & o que não é;
 a última meta ele atingiu:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane.


404:
 Incontaminado
 pelos donos da casa
 & pelos sem casa
 vivendo sem casa,
 sem nenhuma necessidade
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


405:
 Tendo apartado a violência
 contra seres medrosos ou firmes,
 ele não mata nem
 leva outros a matar:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


406:
 Tolerante entre intolerantes
 desarmado entre armados
 desinteressado entre interessados
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


407:
 A paixão, aversão,
 vaidade & desprezo,
 fora--
 como uma semente de mostarda
 da ponta de uma agulha:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


408:
 Ele diria
 o que é paz,
 instrutivo,
 verdadeiro--
 não cansa ninguém:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


409:
 Aqui no mundo
 ele não leva nada que não lhe tenha sido dado
 longo, curto,
 grande, pequeno,
 atraente, ou não:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


410:
 O seu desejo deste
 e do próximo mundo
 não pode ser achado;
 livre de desejar, inabalável
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


411 *:
 Seus apegos
 suas casas
 não podem ser achadas.
 Por saber
 ele é inabalável
 atingiu o mergulho
 o Imortal
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


412 *:
 Ele foi
 além do apego
 para ambos: mérito & mal
 sem lastimação, sem lixo, puro:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


413:
 Imaculado, puro, como a lua
--límpido & tranqüilo--
as suas delícias, o seu vir-a-ser
 totalmente acabados
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


414:
 Ele fez seu caminho passado
 este caminho de duro-andamento
--samsara, ilusão--
atravessou,
 foi além,
 é livre de desejo,
 de perplexidade,
 absorvido em jhana,
 com nenhum adesivo
 Liberto:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


415-416:
 Quem, abandonando paixões sensuais
 sai de casa--
 sem paixões sensuais, sem vir-a-ser
 totalmente ido:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane

 Quem, abandonando apetência
 sai de casa--
 sem apetências, sem vir-a-ser
 totalmente ido:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


417:
 Tendo deixado para trás
 o laço humano,
 tendo feito seu caminho passado
 o divino,
 de todo desembaraçado de laços:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


418:
 Tendo deixado para trás
 delícia & desgosto,
 esfriado, sem aquisições--
um herói que conquistou
 todo o mundo,
 todo mundo:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


419:
 Ele sabe em todos os sentidos
 o transcurso de seres fora,
 e seu ressurgimento
 solto, desperto,
 bem-ido:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


420:
 Ele cujo curso não sabem
 --devas, gandhabbas, & os seres humanos--
a sua efluência terminada, um arahant:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


421 *:
 Ele que não tem nada
--na frente, atrás, entre--
um com nada
 que não agarra nenhuma coisa:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


422:
 Um touro esplêndido, conquistador,
 herói, grande vidente--
livre de desejo,
 desperto, lavado:
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane


423 *:
 Ele sabe suas vidas anteriores
 Ele vê céus & estados de aflição,
 atingiu o fim de nascimento,
 é um sábio que dominou o conhecimento
 seu domínio totalmente aperfeiçoado
 ele é o que eu chamo
 um brâhmane

 [FIM DO DHAMMAPADA]


Nenhum comentário:

Postar um comentário